sexta-feira, 28 de março de 2008

Temperos de família

Dizem que somos feitos de água, terra, ar e fogo.
Digo: somos feitos de sal, açúcar, vinagre e azeite; temperos essenciais para que a vida exista.
Primeiro, lança o sal à terra, molha com água, ateia fogo e sopra para não apagar. Eis o pão da vida.
Em seguida, acrescenta o doce da infância, o vinagre da mocidade e o azeite da juventude.
No entanto, o açafrão, o curry, o cominho e o cardamomo, esses sim, são passados, de pouco a pouco, como segredos de família, num belíssimo e estranho ritual de iniciação.

7 comentários:

Carlos Wilker disse...

já eu faço de tudo um bom cozido.

Manu disse...

Nada como um tempero de família...
Mas a quantidade de sal varia de cozinheiro pra cozinheiro...

disse...

Que texto bacana!
Um abraço!
= )

sidnei disse...

E assim com o alecrim, a pimenta síria, o dill, o anis etc... tudo que surge pra dar cor e sabor à nossa vida!!!

Raven disse...

Faltou orégano.

Raven disse...

Fica por conta do patê.

Anônimo disse...

Esse queimar orgânico, não deixando apagar, é forçoso de forma tão acolhedora que não destrói, modifica. Dá formas e transmite os sabores à alma, numa dança alquímica criada no cordão umbilical.

As palavras irão, invariavelmente, para o livro de receitas da família Stanzani.
Beijos.